quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Ela Nunca para de Gritar

É um profundo vazio do qual não consigo me despedir. Ele me destrói por dentro. Olhe fixamente em meus olhos e veja o reflexo de todo esse vazio que em mim reside.

Cigarros, drogas, álcool e tudo o que você pode imaginar. Mas nada funciona, nada.

A decisão foi minha, eu sei, mas eu preciso me afastar imediatamente do caos e da instabilidade que eu sei que não tardaria a chegar ao meu lar (se é que já não chegou.

A aparente desistência pode soar como covardia, mas é o maior ato de coragem que eu posso oferecer. E pode ficar tranqüilo, minha essência aqui ainda reside, e ela nunca para de gritar, nunca.

10/10/11

5 comentários:

  1. O que ocorre?



    Larissa.

    ResponderExcluir
  2. Texto antigo já, nada que coincida com a minha situação atual, pode ficar tranquila!^^

    ResponderExcluir
  3. "A aparente desistência pode soar como covardia, mas é o maior ato de coragem que eu posso oferecer."

    Dizer "não" é tão mais díficil que o "sim"! Principalmente quando você já se apossou da ideia otimista que o "sim" parecia carregar. E quando esta imagem vai se destruindo, se mostrando feia, sem cor, apodrecida, é simples você resistir naquele retrato anterior que você havia imaginado, o belo. Você resiste com um pinguinho de esperança que tudo será colorido e vivo, é pouco, mas é fácil persistir nesta projeção...
    Corajoso mesmo é o "não", é negar a representação bonita e enxegar o caos que está na sua frente. Sim, desistir foi o seu maior ato de coragem!

    ResponderExcluir
  4. 'A aparente desistência pode soar como covardia, mas é o maior ato de coragem que eu posso oferecer. E pode ficar tranqüilo, minha essência aqui ainda reside, e ela nunca para de gritar, nunca.'

    Achei lindo, ótimo texto.

    ResponderExcluir