terça-feira, 24 de agosto de 2010

Um Anônimo Espúrio

Você não sabe como é estar aqui. Far-se-ia necessário sentir na pele o que eu sofro todos os dias, pisar no chão que eu piso (se é que ao menos existe um chão), respirar do ar que minhas narinas são obrigadas a absorver.

Minha vida é um constante caos, eu não tenho um segundo se quer de paz. Sempre é um problema atrás do outro, desafios contínuos e não cessa, nunca cessa.

Não suporto mais lutar por uma causa que eu não acredito, não consigo mais viver assim. Essa situação está me dilacerando aos poucos. Sou como um leproso que a cada dia que passa perde uma parte do seu corpo, da maneira mais cruel e dolorosa que você pode imaginar.

Sou um anônimo espúrio, o qual não consegue esboçar um sorriso em sua face e nem sentir a mais efêmera felicidade. Aqui ninguém é feliz, é impossível ser feliz com essa sensação, com esse chão, com esse ar.

Conduza-me para longe daqui, eu não agüento mais olhar as minhas cicatrizes e não ter alguém para abraçar. As conseqüências de eu ter escolhido seguir por esse caminho são mais fortes do que um dia eu possa ter imaginado. Esse caminho só me trouxe dor, sofrimento e vícios.

Eu ainda acredito em super-heróis, sou obrigado a acreditar neles. Irônico é que eu sou o que você chama de herói...

Capitão, eu imploro, me tira daqui, eu quero paz, eu preciso de paz.

22/08/10

19 comentários:

  1. Espero que estejas bem, pois a julgar pelo texto não. Talvez seja algo antigo escrito.

    ResponderExcluir
  2. Não, eu tô bem sim ju, pode ficar tranquilo :P O texto é baseado em outras coisas ^^

    ResponderExcluir
  3. Rafa, seu texto, disse completamente, como eu me sinto.

    ResponderExcluir
  4. vc escreve mt bem rafa. como vc comento q é baseado em outrs coisas, me deixo mais tranquila shauhsuahus passo o sentimento mt bem

    ResponderExcluir
  5. Caramba Rafa, você tá escrevendo super bem!

    ResponderExcluir
  6. Nuss, que profundo Rafa!
    Parabéns, ficou muito bom.. :]

    ResponderExcluir
  7. Ás vezes é tão difícil sermos o que somos!

    ResponderExcluir
  8. agora seu "eu-lírico" não vive a mesma vida que você, né? auhuahuahuahua! dahora, gostei

    ResponderExcluir
  9. Rafa, você ta precisando é de um tempo. Daqueles que fazem a gente sentir falta até do que não suporta. Difícil perceber que nós somos realmente quem somos por saber viver o que vivemos. Força, meu garoto. Só lembrando que ter força não é engolir o amargo daquilo que incomoda. Lembra que a vida sempre tem algo de bom. Mas... Bem, é só pra quem aguenta procurar.

    ResponderExcluir
  10. Você descreve de forma tão complexa o que seria trágico... Lindo

    ResponderExcluir
  11. achei que estivesse mal e achei até estranho por não ter comentado nada nos ultimos dias sobre coisas ruins a não ser seu pé.
    enfim, vc escreve absurdo, já disse, né?
    =)

    ResponderExcluir
  12. Bem legal esse seu texto,cara.
    Eu vi eu mesmo em algumas partes.
    Muito bom mesmo.

    ResponderExcluir
  13. foda.
    e o mais foda ainda é que tu não tá se sentindo assim.

    ResponderExcluir
  14. Nossa... muito bom, apesar de deprê demais pra mim hahaha
    me lembra o nenê!

    ResponderExcluir
  15. nossa, que texto *-*
    simplesmente lindo

    ResponderExcluir
  16. "Minha vida é um constante caos, eu não tenho um segundo se quer de paz. Sempre é um problema atrás do outro, desafios contínuos e não cessa, nunca cessa." Faço dessas palavras as minhas.

    ResponderExcluir
  17. Não cessa, nunca cessa.
    É foda, um dia após do outro assim, seguido, um dois um dois, um dois três.
    Escolher o caminho e ao invés de chegar ao arco-íris, não conseguir prosseguir.
    São tantos sentimentos, tantas emoções, tanta confusões...
    -
    Fantástico Rafa!

    ResponderExcluir
  18. Parabéns pelo texto, ele flui bem.

    ResponderExcluir